Pular para o conteúdo principal

Maduro completa um mês à frente de uma Venezuela em crise

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chega com sua mulher,
 a primeira-dama Cilia Flores, à Academia
Militar para um desfile em Caracas, no dia 19 de abril


O chavista Nicolás Maduro completa neste domingo um mês à frente do governo da Venezuela, em um contexto de crise pós-eleitoral com a contestação dos resultados de 14 de abril, uma inflação crescente e uma escassez de bens básicos que o obriga a negociar com o setor privado para evitar o colapso econômico.
"Tem sido um mês difícil para Maduro. Por um lado, teve de lidar com o questionamento de sua legitimidade e, por outro lado, precisou enfrentar uma crise econômica que está causando desconforto e descontentamento", considera o cientista político John Magdaleno.
A tensão nas ruas durante as manifestações organizadas pelo líder da oposição Henrique Capriles, que não reconhece a vitória de Maduro com uma pequena vantagem nas eleições de 14 de abril (diferença de 1,49 ponto percentual), que causou, segundo o governo, doze mortes, levaram o herdeiro de Hugo Chávez a radicalizar ainda mais seu discurso.
Ele acusa a oposição e a "extrema-direita" dos Estados Unidos de estarem tramando um golpe. Além disso, ameaçou Capriles de prisão e ainda prendeu um líder político acusando-o de instigar uma rebelião.
"O plano é eliminar o povo, para fazer com que Chávez desapareça e a revolução bolivariana acabe", declarou Maduro na quinta-feira em um ato político em Barinas (oeste), Estado natal do presidente morto em março.
Para Magdaleno, Maduro "manterá a linha dura em relação à oposição, tentando fazer com que cometa erros como no passado", explicou, referindo-se ao golpe de Estado em 2002, que derrubou Chávez por um breve período e à greve do petróleo que alguns meses depois paralisou o país.
Dessa forma, o presidente tenta manter a unidade dentro do chavismo, principalmente com a proximidade das próximas eleições, as municipais, que devem ser convocadas em breve.
"Peço para que se preparem unidos para a vitória", pediu Maduro na quinta-feira, prometendo "corrigir erros". "Agora, a batata quente está do lado do governo, que enfrenta uma crise de falta de legitimidade", afirmou o opositor Capriles em uma entrevista exclusiva à agência de notícias AFP.
Capriles, governador de Miranda (norte), está à espera de uma resposta do Supremo Tribunal sobre o recurso que ele apresentou contra os resultados das eleições por supostas irregularidades.
Se essa iniciativa não der certo, pretende apelar para organismos internacionais, como a Corte Interamericana de Direitos Humanos.

ESCASSEZ
Paralelamente à crise política, que foi refletida de forma mais clara em uma briga entre deputados em 30 de abril na Assembleia Nacional, Maduro enfrenta uma situação econômica muito delicada.
O anúncio feito pelo governo esta semana da importação de 50 milhões de rolos de papel higiênico é um exemplo claro dos problemas de inflação, de escassez e falta de abastecimento que afligem os venezuelanos, em uma economia com um forte controle sobre os preços e altamente dependente do petróleo e das importações.
De acordo com dados do Banco Central venezuelano, a inflação subiu para 4,3% em abril, acumulando 12,5% até agora este ano, em meio a uma crise de escassez sem precedentes. O governo já avisou que este ano vai ser difícil cumprir as metas de crescimento (6% do PIB) e de aumento dos preços (entre 14 e 16%).
"Imagine que o país com as maiores reservas de petróleo do planeta não tem papel higiênico", ironizou Capriles à AFP.
Enquanto acusa a direita de travar "uma guerra econômica para desestabilizar o país", Maduro é obrigado a mostrar sinais de abertura para o setor privado, muito marginalizado nos 14 anos do governo de Chávez.
"O governo pode tentar desviar a atenção de suas responsabilidades, mas, claramente, precisa aumentar a produção ou assumirá o custo total", ressalta o presidente da empresa Datanálisis, Luis Vicente León.
Dessa forma, Maduro se comprometeu a facilitar o acesso a moedas internacionais para importação e se reuniu com vários empresários para tentar estimular a produção nacional, incluindo Lorenzo Mendoza, diretor executivo da Polar, a maior produtora e distribuidora de alimentos, que Chávez ameaçou nacionalizar várias vezes.
"Eu disse 'você produzirá, eu trabalharei' para garantir todo o apoio de que necessitem", disse Maduro sobre a reunião com Mendoza.
"Os contatos com os empresários são um bom sinal, mas é preciso abrandar a retórica e partir para a prática, concretizando com fatos os acordos", alertou à AFP Jesus Casique, professor da Universidade de Preston.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Banda Catedral anuncia última turnê e o seu fim

Em vídeo, os integrantes da banda, Kim, Júlio Cézar e Guilherme Morgado anunciam que o CD e DVD dos 25 anos da banda será o último trabalho. 

Nesta sexta-feira, 22 de maio, os integrantes da Banda Catedral anunciaram em vídeo, que, a gravação do Cd e DVD em comemoração aos 25 anos da banda, que será gravado em Belém (PA) e em Recife (PE), será o seu último trabalho.

O último trabalho em vídeo que vai celebrar os 25 anos de carreira da banda, recebeu o nome de “Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos”.

“Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos” será o quarto trabalho ao vivo do Catedral em DVD. Os outros títulos já lançados são “Catedral 10 Anos Ao Vivo”, “Acima do Nível do Mar - 15 Anos” e “Catedral 20 Anos de Estrada Ao Vivo”. Além desses DVDs, a banda tem outro título, “Mais que Amigos = Irmãos”, em parceria com a banda Novo Som.

Catedral é uma banda brasileira de rock cristão, formada no Rio de Janeiro em 1988, conhecida por abordar nas letras de suas canções uma mensagem cristã positiva e popula…

Mensagem do Pr. Clodoaldo

Ouça mais uma mensagem abençoada por Deus através do nosso querido Pr. Clodoaldo, esta mensagem foi entregue dia 05/07/2015 no culto de Santa Ceia no Templo Sede da IEADN.

Seja abençoado em nome de Jesus.













Onda de ataques deixa 800 cristãos mortos e 16 igrejas destruídas

A Arquidiocese de Kafanchan divulgou esta semana que os últimos ataques no sul do estado de Kaduna, Nigéria, resultou em mais de 800 mortos. Cinquenta e três aldeias foram invadidas por soldados islâmicos, da etnia fulani. As autoridades reconhecem que falharam em proteger os habitantes locais, mas não anunciaram que providencias tomariam. Durante uma coletiva de imprensa, Ibrahim Yakubu, responsável pela arquidiocese e quatro outros padres apresentaram um relatório completo, mostrando que foram invadidas 1422 casas e destruídas 16 igrejas, além de uma escola primária cristã. Ao total, morreram 808 pessoas e mais 57 ficaram feridos. Ao jornal The National, Yakubu pediu que todas as famílias que perderam entes queridos ou propriedade recebessem algum tipo de compensação e que seja criada uma comissão oficial para investigar os casos. Já o senador Sani Shehu, reclamou que o estado de Kaduna esteja se transformando em “um matadouro e um cemitério onde vidas humanas não tem valor”. Ele af…