Pular para o conteúdo principal

Atuando pela paz na República Centro-Africana

No último mês, a Comunidade Econômica dos Estados da África Central (CEEAC) concordou em dobrar sua missão de manutenção da paz na República Centro-Africana

África Central
O número de forças regionais de manutenção da paz, desenvolvidos pela CEEAC, será elevado de 700 a 2.000, com o objetivo de restaurar a ordem na capital do país, Bangui.
Dois meses depois de os rebeldes da etnia Séléka assumirem o poder, o país mergulhou no caos. O colapso da defesa e das forças de segurança, após a queda do antigo regime, deixou um vácuo de segurança no país.
A representante especial da ONU na República Centro-Africana, Margaret Vogt, descreveu a situação como "horrível e intolerável", em uma recente entrevista ao secretário geral da ONU.
Vogt, que também dirige o Gabinete Integrado de Consolidação da Paz das Nações Unidas na República Centro-Africana (BINUCA), recomendou ao Conselho de Segurança da ONU que sanções individuais fossem impostas contra os "arquitetos" e perpetradores de violações de direitos humanos no país.
Autoridades locais se comprometeram a resolver as questões de segurança, mas militantes do Séléka, que se dizem ser compostos principalmente de estrangeiros dos vizinhos Sudão e Chade, parecem estar fora de controle.
Em maio, lutas com armas e artilharia pesada entraram em erupção em Bangui, quando uma unidade da polícia militar tentou retomar veículos supostamente roubados por elementos do Séléka e foram encontrados em uma casa. Pelo menos quatro pessoas foram mortas e muitas outras feridas, incluindo uma menina, que foi atingida por uma bala.
A persistência da insegurança levou o governo a buscar assistência da França, antiga potência colonial, cujas tropas estavam estacionadas na República Centro Africana por anos.

Há poucas semanas, a Igreja Católica na República Centro-Africana escreveu uma carta ao ex-líder rebelde e novo presidente, Michel Djotodia, levantando preocupações sobre o seu passado e pedindo-lhe para se manifestar contra o sofrimento infligido aos civis, resultado de ações das guerrilhas Séléka. A força de manutenção da paz regional critica violações dos direitos humanos. Leia o relato completo aqui


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Banda Catedral anuncia última turnê e o seu fim

Em vídeo, os integrantes da banda, Kim, Júlio Cézar e Guilherme Morgado anunciam que o CD e DVD dos 25 anos da banda será o último trabalho. 

Nesta sexta-feira, 22 de maio, os integrantes da Banda Catedral anunciaram em vídeo, que, a gravação do Cd e DVD em comemoração aos 25 anos da banda, que será gravado em Belém (PA) e em Recife (PE), será o seu último trabalho.

O último trabalho em vídeo que vai celebrar os 25 anos de carreira da banda, recebeu o nome de “Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos”.

“Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos” será o quarto trabalho ao vivo do Catedral em DVD. Os outros títulos já lançados são “Catedral 10 Anos Ao Vivo”, “Acima do Nível do Mar - 15 Anos” e “Catedral 20 Anos de Estrada Ao Vivo”. Além desses DVDs, a banda tem outro título, “Mais que Amigos = Irmãos”, em parceria com a banda Novo Som.

Catedral é uma banda brasileira de rock cristão, formada no Rio de Janeiro em 1988, conhecida por abordar nas letras de suas canções uma mensagem cristã positiva e popula…

Mensagem do Pr. Clodoaldo

Ouça mais uma mensagem abençoada por Deus através do nosso querido Pr. Clodoaldo, esta mensagem foi entregue dia 05/07/2015 no culto de Santa Ceia no Templo Sede da IEADN.

Seja abençoado em nome de Jesus.













Onda de ataques deixa 800 cristãos mortos e 16 igrejas destruídas

A Arquidiocese de Kafanchan divulgou esta semana que os últimos ataques no sul do estado de Kaduna, Nigéria, resultou em mais de 800 mortos. Cinquenta e três aldeias foram invadidas por soldados islâmicos, da etnia fulani. As autoridades reconhecem que falharam em proteger os habitantes locais, mas não anunciaram que providencias tomariam. Durante uma coletiva de imprensa, Ibrahim Yakubu, responsável pela arquidiocese e quatro outros padres apresentaram um relatório completo, mostrando que foram invadidas 1422 casas e destruídas 16 igrejas, além de uma escola primária cristã. Ao total, morreram 808 pessoas e mais 57 ficaram feridos. Ao jornal The National, Yakubu pediu que todas as famílias que perderam entes queridos ou propriedade recebessem algum tipo de compensação e que seja criada uma comissão oficial para investigar os casos. Já o senador Sani Shehu, reclamou que o estado de Kaduna esteja se transformando em “um matadouro e um cemitério onde vidas humanas não tem valor”. Ele af…