Pular para o conteúdo principal

Pastor Silas Malafaia comenta versão gospel das festas juninas: “O foco é Jesus”; Leia na íntegra


Tradicionalmente no mês de junho diversas comunidades espalhadas pelo país comemoram as festas juninas, que tem sua origem em celebrações pagãs que foram trazidas ao Brasil pelos portugueses.

No meio evangélico, muitas igrejas aproveitam a época e o formato das festas juninas para promoverem eventos de celebração e evangelismo. Entretanto, as chamadas “festas jesuínas” não são unanimidade no meio cristão, e muitos líderes entendem que ao realizar uma festa com os mesmos parâmetros, a igreja está abrindo espaço para uma contaminação com práticas mundanas.
Sobre o tema, o pastor Silas Malafaia publicou um artigo em que aborda a questão do ponto de vista de sua utilidade no cumprimento do propósito cristão: “Essas festas folclóricas foram reeditadas pelos evangélicos para fins evangelísticos; para atrair as pessoas que vão a festas juninas tradicionais. O foco não são as comidas típicas nem promover cantores de ‘forró gospel’, e sim Jesus”, escreveu o líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

“Por meio dessa estratégia, muitas pessoas que não conhecem o evangelho podem ouvir canções que falam do amor de Deus, receber uma oração e ter a oportunidade de entregar sua vida a Cristo. No mínimo, ela terá a oportunidade de travar contato com os cristãos, constatar sua alegria saudável e despertar para o fato de que Deus está de braços abertos para ela também experimentar novidade de vida”, argumentou o pastor.

Malafaia ressalta que “nos eventos realizados pelas igrejas evangélicas, não há bebidas alcoólicas, drogas, brigas nem idolatria”, e que esses fatores são notados por quem é convidado a participar de uma festa como essa: “Esse diferencial chama a atenção dos que não conhecem Cristo. Para isso, é claro, todos os que estão envolvidos com a festa jesuína precisam ser sábios em suas atitudes e comportar-se com cordialidade e simpatia, sem deixar de ser sal da terra e luz do mundo, a fim de atrair os pecadores a Cristo”.

Sobre as divergências a respeito do assunto, Malafaia foi objetivo: “Respeite aqueles que são mais tradicionais e não apoiam de maneira alguma as festas jesuínas. Mas não critique os que aproveitam essa festividade”.

Confira a íntegra do artigo do pastor Silas Malafaia:
A realização de festas jesuínas ainda divide opiniões, pelo fato de a festa junina, que as inspirou, estar relacionada à festa pagã do solstício de verão. Essa festa foi reeditada pelos católicos na Idade Média, passando a ser conhecida primeiro como festa joanina, por comemorar São João, o apóstolo João, e posteriormente como junina, por ser celebrada no mês de junho.

Essa festa entrou em nosso folclore por influência dos portugueses, nossos colonizadores. As comidas típicas, as canções e as roupas caipiras são uma clara referência ao povo campestre, que povoou principalmente o nordeste do Brasil. Os enfeites de papel, os balões de ar quente e a bombinhas de pólvora apontam para as novidades que os portugueses descobriam nos continentes que visitavam e exploravam.
Essas festas folclóricas foram reeditadas pelos evangélicos para fins evangelísticos; para atrair as pessoas que vão a festas juninas tradicionais. O foco não são as comidas típicas nem promover cantores de “forró gospel”, e sim Jesus.

Por meio dessa estratégia, muitas pessoas que não conhecem o evangelho podem ouvir canções que falam do amor de Deus, receber uma oração e ter a oportunidade de entregar sua vida a Cristo. No mínimo, ela terá a oportunidade de travar contato com os cristãos, constatar sua alegria saudável e despertar para o fato de que Deus está de braços abertos para ela também experimentar novidade de vida.

Isso porque, nos eventos realizados pelas igrejas evangélicas, não há bebidas alcoólicas, drogas, brigas nem idolatria. Esse diferencial chama a atenção dos que não conhecem Cristo. Para isso, é claro, todos os que estão envolvidos com a festa jesuína precisam ser sábios em suas atitudes e comportar-se com cordialidade e simpatia, sem deixar de ser sal da terra e luz do mundo, a fim de atrair os pecadores a Cristo.

Sendo assim, respeite aqueles que são mais tradicionais e não apoiam de maneira alguma as festas jesuínas. Mas não critique os que aproveitam essa festividade.

Gospel+

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Banda Catedral anuncia última turnê e o seu fim

Em vídeo, os integrantes da banda, Kim, Júlio Cézar e Guilherme Morgado anunciam que o CD e DVD dos 25 anos da banda será o último trabalho. 

Nesta sexta-feira, 22 de maio, os integrantes da Banda Catedral anunciaram em vídeo, que, a gravação do Cd e DVD em comemoração aos 25 anos da banda, que será gravado em Belém (PA) e em Recife (PE), será o seu último trabalho.

O último trabalho em vídeo que vai celebrar os 25 anos de carreira da banda, recebeu o nome de “Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos”.

“Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos” será o quarto trabalho ao vivo do Catedral em DVD. Os outros títulos já lançados são “Catedral 10 Anos Ao Vivo”, “Acima do Nível do Mar - 15 Anos” e “Catedral 20 Anos de Estrada Ao Vivo”. Além desses DVDs, a banda tem outro título, “Mais que Amigos = Irmãos”, em parceria com a banda Novo Som.

Catedral é uma banda brasileira de rock cristão, formada no Rio de Janeiro em 1988, conhecida por abordar nas letras de suas canções uma mensagem cristã positiva e popula…

Mensagem do Pr. Clodoaldo

Ouça mais uma mensagem abençoada por Deus através do nosso querido Pr. Clodoaldo, esta mensagem foi entregue dia 05/07/2015 no culto de Santa Ceia no Templo Sede da IEADN.

Seja abençoado em nome de Jesus.













Onda de ataques deixa 800 cristãos mortos e 16 igrejas destruídas

A Arquidiocese de Kafanchan divulgou esta semana que os últimos ataques no sul do estado de Kaduna, Nigéria, resultou em mais de 800 mortos. Cinquenta e três aldeias foram invadidas por soldados islâmicos, da etnia fulani. As autoridades reconhecem que falharam em proteger os habitantes locais, mas não anunciaram que providencias tomariam. Durante uma coletiva de imprensa, Ibrahim Yakubu, responsável pela arquidiocese e quatro outros padres apresentaram um relatório completo, mostrando que foram invadidas 1422 casas e destruídas 16 igrejas, além de uma escola primária cristã. Ao total, morreram 808 pessoas e mais 57 ficaram feridos. Ao jornal The National, Yakubu pediu que todas as famílias que perderam entes queridos ou propriedade recebessem algum tipo de compensação e que seja criada uma comissão oficial para investigar os casos. Já o senador Sani Shehu, reclamou que o estado de Kaduna esteja se transformando em “um matadouro e um cemitério onde vidas humanas não tem valor”. Ele af…