Pular para o conteúdo principal

Evangélica, mãe de menina beijada pelo papa Francisco na chegada para a JMJ diz ter se emocionado: “Não sei explicar a sensação”

A chegada do papa Francisco ao Rio de Janeiro para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) contou com um desfile pelas ruas do centro da capital fluminense, com direito a acenos para os fiéis e até, carícias a crianças.
Uma das crianças que o papa Francisco pegou no colo e beijou é filha de uma evangélica, que passava pelo local e resolveu assistir ao desfile.
Quando o carro que levava o papa cruzou a esquina das ruas Araújo Porto Alegre e México, o papa apontou para uma menina de 1 ano e oito meses que estava no colo da mãe, e os seguranças a levaram até o pontífice, que a abraçou e beijou.
A mãe da menina, Thaís Albuquerque Ramos, afirmou ter ficado emocionada com o gesto do papa: “É muito emocionante. Não sei explicar a sensação. As minhas pernas começaram a tremer”. Em entrevista à reportagem do jornal Folha de S. Paulo, Thaís explicou o porquê estava no local: “Minha amiga falou pra gente ficar pertinho do gradil para quando o papa viesse eu levantar minha filha”.
Depois de ter sido beijada pelo papa, a menina Izadora adormeceu. Os fiéis que acompanharam a cena, se aglomeraram para tocar e tirar fotos com a criança.
No entanto, apesar da emoção, Thaís afirmou que apesar de “grata” pelo gesto do papa, não mudará de religião e não influenciará na escolha de sua filha, quando ela for mais velha.
Deus é brasileiro
Durante o voo que trouxe Francisco ao Rio de Janeiro, o papa foi perguntado por jornalistas sobre o fato de alguns fiéis lamentarem que ele, apesar da ascendência italiana, seja argentino: “Vocês não se conformam com nada. Vocês querem tudo. Vocês já têm um Deus brasileiro, queriam um papa brasileiro também?”, brincou, fazendo referência ao dito popular de que, devido às inúmeras belezas naturais do Brasil, Deus seria tupiniquim.
Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Banda Catedral anuncia última turnê e o seu fim

Em vídeo, os integrantes da banda, Kim, Júlio Cézar e Guilherme Morgado anunciam que o CD e DVD dos 25 anos da banda será o último trabalho. 

Nesta sexta-feira, 22 de maio, os integrantes da Banda Catedral anunciaram em vídeo, que, a gravação do Cd e DVD em comemoração aos 25 anos da banda, que será gravado em Belém (PA) e em Recife (PE), será o seu último trabalho.

O último trabalho em vídeo que vai celebrar os 25 anos de carreira da banda, recebeu o nome de “Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos”.

“Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos” será o quarto trabalho ao vivo do Catedral em DVD. Os outros títulos já lançados são “Catedral 10 Anos Ao Vivo”, “Acima do Nível do Mar - 15 Anos” e “Catedral 20 Anos de Estrada Ao Vivo”. Além desses DVDs, a banda tem outro título, “Mais que Amigos = Irmãos”, em parceria com a banda Novo Som.

Catedral é uma banda brasileira de rock cristão, formada no Rio de Janeiro em 1988, conhecida por abordar nas letras de suas canções uma mensagem cristã positiva e popula…

Mensagem do Pr. Clodoaldo

Ouça mais uma mensagem abençoada por Deus através do nosso querido Pr. Clodoaldo, esta mensagem foi entregue dia 05/07/2015 no culto de Santa Ceia no Templo Sede da IEADN.

Seja abençoado em nome de Jesus.













Onda de ataques deixa 800 cristãos mortos e 16 igrejas destruídas

A Arquidiocese de Kafanchan divulgou esta semana que os últimos ataques no sul do estado de Kaduna, Nigéria, resultou em mais de 800 mortos. Cinquenta e três aldeias foram invadidas por soldados islâmicos, da etnia fulani. As autoridades reconhecem que falharam em proteger os habitantes locais, mas não anunciaram que providencias tomariam. Durante uma coletiva de imprensa, Ibrahim Yakubu, responsável pela arquidiocese e quatro outros padres apresentaram um relatório completo, mostrando que foram invadidas 1422 casas e destruídas 16 igrejas, além de uma escola primária cristã. Ao total, morreram 808 pessoas e mais 57 ficaram feridos. Ao jornal The National, Yakubu pediu que todas as famílias que perderam entes queridos ou propriedade recebessem algum tipo de compensação e que seja criada uma comissão oficial para investigar os casos. Já o senador Sani Shehu, reclamou que o estado de Kaduna esteja se transformando em “um matadouro e um cemitério onde vidas humanas não tem valor”. Ele af…