Pular para o conteúdo principal

Presidente Dilma classifica aprovação de lei sobre aborto como armadilha da bancada evangélica, afirma jornlista

A presidente Dilma Rousseff estaria convencida que a aprovação por unanimidade da lei contra a violência sexual, que ganhou uma grande repercussão por, supostamente, permitir o aborto, teria sido uma armadilha contra ela armada pela bancada evangélica na Câmara e no Senado.
A afirmação é do jornalista e colunista da Veja Lauro Jardim, que afirma ainda que a presidente atribui a suposta armadilha ao deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
A sanção da lei pela presidente causou grande repercussão entre líderes políticos cristãos, que afirmam que Dilma Rousseff estaria descumprindo seu compromisso de campanha com os grupos religiosos. Durante a campanha eleitoral de 2010, a então candidata a presidente assinou um documento se comprometendo a não aprovar leis que permitam o aborto.
Sobre a promessa de campanha, a presidente teria dito a uma ministra que está cumprindo o que prometeu, não ampliando a legislação que trata do atendimento de casos de abortos no SUS – mas sem retroceder.
Sobre a suposta desconfiança da presidente, Eduardo Cunha respondeu afirmando se tratar de uma infantilidade, e disse também ter ficado surpreso com a aprovação da lei.
- É uma infantilidade pensar que as coisas aconteceram assim. É por isso que a coordenação do governo no Congresso está dessa maneira. É uma maldade. Eu fui surpreendido com o que aconteceu no plenário – afirmou o deputado.
Por Dan Martins, para o Gospel+

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mensagem de Ensinamento com Pr. Clodoaldo Alves da Costa 08/08/2017

Culto de Ensinamento na IEADN em Boa Vista Roraima, com nosso Pastor Presidente Clodoaldo Alves da Costa