Pular para o conteúdo principal

Justiça nega "tratamento diferenciado" para estudante adventista


Decisão de desembargador do Tribunal de Justiça de Goiás usa argumento de que o direito à liberdade religiosa não deve ocasionar tratamento diferenciado.


Para o desembargador Fausto Moreira Diniz, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO), seria um privilégio indevido se a Universidade Estadual de Goiás (UEG) abonasse faltas ou oferecesse a um estudante horários especiais para a realização de atividades acadêmicas. A universitária, que cursa Administração no campus de Anápolis, é fiel da Igreja Adventista do Sétimo Dia e não frequenta a instituição de ensino aos sábados.

Os adventistas são mais de 17 milhões de membros no mundo, cerca de dois milhões na América do Sul. É uma igreja cristã protestante organizada em 1863 nos Estados Unidos, depois do movimento que ressaltava a necessidade na pregação sobre a breve volta de Cristo à terra. A religião prevê descanso semanal aos sábados – na visão dos devotos, dia que é separado por Deus para um relacionamento maior com suas criaturas.

A estudante impetrou a ação e chegou a conseguir o direito, deferido liminarmente na Vara da Fazenda Pública Estadual de Anápolis, para se submeter às provas em outros dias. A UEG recorreu e o colegiado entendeu que “as crenças não podem interferir no Estado laico e que não há previsão legislativa sobre o assunto”.

A advogada Sabrina Machado, que também é adventista e está à frente do caso, esclareceu que os processos ainda estão na fase inicial: “Estamos aguardando a sentença de 1ª Instância.” Sendo desfavorável, a advogada pretende recorrer da decisão. Para ela, os alunos adventistas devem ter seu direito à liberdade religiosa resguardados sem que tenham que abrir mão do direito à educação.

Crença

Na petição foi citada a Lei Estadual nº 17.867/2012. Esta dispõe que alunos matriculados na rede pública estadual de ensino deverão realizar provas somente durante a semana. Outro argumento foi o direito constitucional à liberdade de expressão e crença.

Para Fausto Moreira Diniz, a normativa estadual não se aplicaria por reger apenas os ensinos médio e fundamental. Para o outro argumento, o desembargador “frisou que o direito à liberdade religiosa deve coadunar-se com o princípio da isonomia e da legalidade, e não ensejar em situações que importem em tratamento diferenciado.”

“O direito de liberdade religiosa está previsto na Constituição Federal, bem como tratados internacionais e são inúmeras as jurisprudências favoráveis aos adventistas guardadores do sábado bíblico”, rebate a advogada.

Para o secretário da Igreja Adventista em Goiás, pastor Evaldino Ramos, é preciso que o Estado garanta o direito à observância do sábado, assim como garante aos católicos e outros religiosos que guardem os domingos. Ele afirma que não vê como tratamento diferenciado o direito à liberdade do adventista escolher guardar os sábados e que deve haver respeito, mesmo que não seja algo comum e praticado por um grupo minoritário.

Dois casos,duas decisões

Sabrina Machado esclarece que foram ajuizados dois Mandados de Segurança, visando garantir o direito de liberdade religiosa de alunos adventistas matriculados na UEG. Para ambos, foram concedidas decisões liminares assegurando a possibilidade de realização das avaliações em outro dia.

A UEG impetrou agravo de instrumento e um dos processos foi distribuído para a 6ª Câmara e outro para 5ª Câmara do TJ-GO. Para a UEG, a Lei n° 17.867 não teria efeito prático, pois, apesar de determinar a não aplicação de provas no sábado não dispensa o comparecimento dos alunos às aulas. Também não determina o abono de faltas, o que levaria a reprovação dos alunos por não cumprirem a frequência mínima de 75% das aulas.

A 5ª Câmara, ao contrário da 6ª, manteve a liminar concedida ao aluno. O desembargador Francisco Vildon J. Valente reconheceu o direito do adventista, de não ser submetido a avaliações aos sábados. Citando a Lei Estadual n° 17.867/2012, que assim dispõe que as provas de concurso público e vestibulares das universidades estaduais sejam realizados somente no período de domingo a sexta-feira, entre as 8h e 18h, assim como as provas para os alunos da rede pública estadual.

Com relação à sentença desfavorável do desembargador, a advogada afirma que “conceder tratamento desigual, desde que se guarde a razoabilidade e a proporcionalidade, àqueles que se encontram em situação de desigualdade satisfaz o princípio da isonomia”. Já o pastor diz respeitar, mas não compactuar com a decisão de desfavorecer um grupo minoritário.

Fonte; Diário da Manhã

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Infarto?

Sinônimos: Infarto agudo do miocárdio, Parada cardíaca, Ataque cardíaco Um ataque cardíaco ocorre quando o fluxo de sangue para uma parte do coração é bloqueado por um tempo prolongado, de modo que parte do músculo cardíaco seja danificado ou morra. Os médicos chamam isso de infarto do miocárdio. Um ataque cardíaco ocorre quando o fluxo de sangue para uma parte do coração é bloqueado por um tempo prolongado, de modo que parte do músculo cardíaco seja danificado ou morra. Os médicos chamam isso de infarto do miocárdio. Causas A maioria dos ataques cardíacos é causada por um coágulo sanguíneo que bloqueia uma das artérias coronárias. As artérias coronárias levam sangue e oxigênio para o coração. Se o fluxo sanguíneo estiver bloqueado, o coração ficará sem oxigênio e as células cardíacas morrerão. A maioria dos ataques cardíacos é causada por um coágulo sanguíneo que bloqueia uma das artérias coronárias Um substância dura chamada placa pode se acumular nas paredes de suas artérias coroná…

Mensagem de Ensinamento com Pr. Clodoaldo Alves da Costa 08/08/2017

Culto de Ensinamento na IEADN em Boa Vista Roraima, com nosso Pastor Presidente Clodoaldo Alves da Costa