Pular para o conteúdo principal

Entenda como a alta do dólar pode deixar smartphones mais caros no Brasil


Até 5 de março deste ano, 2004 havia sido a última vez em que o valor do dólar passava de R$ 3 e, agora que isso voltou a ocorrer, a moeda parece não querer mais retornar aos dois e pouco de antes. Tal cenário gera problemas para a indústria de produtos eletrônicos e, em algum momento, você, consumidor, pode ser obrigado a pagar a conta.

Grande parte do que esse mercado vende por aqui é fabricado no exterior - isso inclui smartphones, tablets, computadores, televisores... Mesmo que o produto em questão seja montado no Brasil, geralmente há peças que precisam ser importadas.

E até nos casos em que o produto tem origem totalmente nacional, a fabricante pode acabar optando por seguir a movimentação do setor e inflacionar os preços junto com a concorrência, segundo o economista Samy Dana, da FGV.

O Brasil não tem condições de negociar no mercado estrangeiro com o real, que não é uma moeda forte como o euro, por exemplo, então depende do dólar por sua aceitação mundial. Como nosso dinheiro está desvalorizado frente ao norte-americano, praticamente qualquer coisa comprada de fora tende a ficar mais cara. É o caso das peças dos eletrônicos.

Mas isso é uma tendência, não significa que acontecerá. Em geral, as empresas que atuam em mercados que dependem de importação trabalham com margens para absorver a flutuação cambial. O problema, ressalta o professor Celio Hiratuka, do Instituto de Economia da Unicamp, é que desta vez o aumento veio muito forte e em pouco tempo. "Isso vai gerar um aumento de custo importante", avisa ele. "Se fosse 15%, 10%, seria uma coisa, mas estamos com mais de 20% [de flutuação] em um período muito curto."

Há ainda outro fator a se considerar: o fluxo de vendas. "[No caso de] eletrônicos com muitos concorrentes, a tendência é que a margem seja menor. Com uma televisão de 32 polegadas a margem é pequenininha, [a fabricante] acaba repassando o preço. Mas os modelos de 100, 90 polegadas, têm poucos concorrentes, então a margem é maior", explica Dana.

A mesma coisa se aplica aos smartphones. Modelos básicos, de muita saída, enfrentam mais concorrência e por isso as fabricantes preferem oferecer preços baixos, mesmo que tenham de aumentar o valor ou assumir prejuízos com a flutuação do dólar. Já os tops de linha, que são caros, contam com margens mais largas, portanto o risco de influência do dólar em seus preços é menor.

Momentos de alta do dólar encarecem até produtos importados domesticamente. Um PlayStation 4 ou um iPhone 6 comprados nos Estados Unidos acabam ficando tão caros quanto os que são vendidos no Brasil.

É difícil encontrar um economista que tente prever essa flutuação, porque a tarefa é praticamente impossível. Hiratuka lembra que o valor do dólar está associado às incertezas do mercado internacional e do brasileiro, mas mesmo assim a indústria tenta antecipar seus movimentos seguindo o humor do mercado, o que também não é uma ciência exata. "As pessoas que negociaram o dólar a R$ 3,10 hoje cedo acreditam que ele não vai descer, enquanto quem vendeu acredita que não vai subir mais", exemplifica o economista da FGV.

Para quem precisa comprar um produto eletrônico agora, o negócio é fazer acompanhamento de preço e não adquirir nada por impulso, pois pode sair mais caro. "É um momento difícil, e num momento de incerteza é sempre bom tomar uma certa cautela", aconselha Hiratuka.

Fonte: Olhar Digital

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Infarto?

Sinônimos: Infarto agudo do miocárdio, Parada cardíaca, Ataque cardíaco Um ataque cardíaco ocorre quando o fluxo de sangue para uma parte do coração é bloqueado por um tempo prolongado, de modo que parte do músculo cardíaco seja danificado ou morra. Os médicos chamam isso de infarto do miocárdio. Um ataque cardíaco ocorre quando o fluxo de sangue para uma parte do coração é bloqueado por um tempo prolongado, de modo que parte do músculo cardíaco seja danificado ou morra. Os médicos chamam isso de infarto do miocárdio. Causas A maioria dos ataques cardíacos é causada por um coágulo sanguíneo que bloqueia uma das artérias coronárias. As artérias coronárias levam sangue e oxigênio para o coração. Se o fluxo sanguíneo estiver bloqueado, o coração ficará sem oxigênio e as células cardíacas morrerão. A maioria dos ataques cardíacos é causada por um coágulo sanguíneo que bloqueia uma das artérias coronárias Um substância dura chamada placa pode se acumular nas paredes de suas artérias coroná…

Mensagem do Pr. Clodoaldo

Ouça mais uma mensagem abençoada por Deus através do nosso querido Pr. Clodoaldo, esta mensagem foi entregue dia 05/07/2015 no culto de Santa Ceia no Templo Sede da IEADN.

Seja abençoado em nome de Jesus.













Profecias sobre a Síria estão se cumprindo em nossos dias?

O ataque mais recente das forças dos Estados Unidos voltaram os olhos do mundo para a Síria. Há quase sete anos em guerra, o país está sendo destroçado por uma guerra civil que transformou parte da nação em uma pilha de ruínas. Agora que o presidente Trump afirma que podem ocorrer mais ataques militares, o presidente Bashar Al Assad já admite que lhe restam poucas alternativas. Alguns estudiosos das profecias lembram de Isaías 17: 1. Cerca de 750 anos antes de Cristo o profeta anunciou: “Eis que Damasco será tirada, e já não será cidade, antes será um montão de ruínas”. Até o momento, a capital da Síria foi preservada de grandes ataques, pois os jihadistas do Estado Islâmico e grupos associados mantinham o controle apenas da porção norte do país, mas os conflitos se aproximam da cidade, sede do governo. Uma das cidades continuamente habitada mais antigas do mundo, ela nunca viu uma destruição como a anunciada por Isaías.  Até recentemente dizia-se que o cumprimento da profecias deu-se…