Pular para o conteúdo principal

Líder da Palestina ameaça abandonar acordos de paz com Israel

Quando a última “lua de sangue” apareceu no céu de Jerusalém no último domingo (27), alguns segmentos evangélicos esperavam que esse sinal marcaria uma profunda mudança na situação de Israel.
Também foi aventado repetidas vezes ao longo do ano que a França faria um pedido formal às Nações Unidas para o reconhecimento da Palestina como nação independente. Contudo, os Estados Unidos interviram e o pedido não foi adiante.
Além do discurso que fez diante da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, nesta quarta (30), o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, participou de uma cerimônia onde bandeira da Palestina foi hasteada. Como não é uma nação oficialmente, participa da ONU como “Estado observador”, status que compartilha com o Vaticano.
Foi a primeira vez que a bandeira dos palestinos foi vista na fachada do prédio da ONU, ao lado das bandeiras que representam todos os demais Estados membros. Abbas, fez um breve pronunciamento onde afirmou: “Neste momento histórico, digo ao meu povo: levantem bem alto a bandeira dos palestinos porque é o símbolo da nossa identidade”.
Durante seu discurso oficial, Abbas falou que a Palestina merece “total reconhecimento” enquanto Estado. Citou “os enormes sacrifícios” feitos pelos cidadãos palestinos e sua “paciência ao longo de muitos anos de sofrimento e exílio”. Agradeceu ainda os esforços franceses para reviver as negociações de paz que estão paralisadas.
Analistas chamam atenção para a ameaça velada do líder palestino, que falou sobre uma guerra religiosa por conta dos recentes conflitos no Monte do Templo. Sinalizou que irá deixar de respeitar os acordos com Israel feito em Oslo, mais de 20 anos atrás.
Abbas tem perdido força dentro do seu partido, o Fatah, que controla a Cisjordânia, enquanto enfrenta oposição ferrenha do Hamas, organização terrorista que controla a Faixa de Gaza.
Exigiu que se parassem com a construção de novos colonatos nos territórios ocupados da Cisjordânia. Pediu também a libertação de prisioneiros palestinos, todos condenados por Israel de terrorismo. Por fim, acusou Israel de sabotar os esforços do governo Obama para mediar a paz.
Após o pronunciamento, o gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, classificou o discurso de Abbas como “enganoso e que incentiva o incitamento da violência no Oriente Médio.” Com informações de Christian Today

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Banda Catedral anuncia última turnê e o seu fim

Em vídeo, os integrantes da banda, Kim, Júlio Cézar e Guilherme Morgado anunciam que o CD e DVD dos 25 anos da banda será o último trabalho. 

Nesta sexta-feira, 22 de maio, os integrantes da Banda Catedral anunciaram em vídeo, que, a gravação do Cd e DVD em comemoração aos 25 anos da banda, que será gravado em Belém (PA) e em Recife (PE), será o seu último trabalho.

O último trabalho em vídeo que vai celebrar os 25 anos de carreira da banda, recebeu o nome de “Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos”.

“Música Inteligente Ao Vivo 25 Anos” será o quarto trabalho ao vivo do Catedral em DVD. Os outros títulos já lançados são “Catedral 10 Anos Ao Vivo”, “Acima do Nível do Mar - 15 Anos” e “Catedral 20 Anos de Estrada Ao Vivo”. Além desses DVDs, a banda tem outro título, “Mais que Amigos = Irmãos”, em parceria com a banda Novo Som.

Catedral é uma banda brasileira de rock cristão, formada no Rio de Janeiro em 1988, conhecida por abordar nas letras de suas canções uma mensagem cristã positiva e popula…

Mensagem do Pr. Clodoaldo

Ouça mais uma mensagem abençoada por Deus através do nosso querido Pr. Clodoaldo, esta mensagem foi entregue dia 05/07/2015 no culto de Santa Ceia no Templo Sede da IEADN.

Seja abençoado em nome de Jesus.













Onda de ataques deixa 800 cristãos mortos e 16 igrejas destruídas

A Arquidiocese de Kafanchan divulgou esta semana que os últimos ataques no sul do estado de Kaduna, Nigéria, resultou em mais de 800 mortos. Cinquenta e três aldeias foram invadidas por soldados islâmicos, da etnia fulani. As autoridades reconhecem que falharam em proteger os habitantes locais, mas não anunciaram que providencias tomariam. Durante uma coletiva de imprensa, Ibrahim Yakubu, responsável pela arquidiocese e quatro outros padres apresentaram um relatório completo, mostrando que foram invadidas 1422 casas e destruídas 16 igrejas, além de uma escola primária cristã. Ao total, morreram 808 pessoas e mais 57 ficaram feridos. Ao jornal The National, Yakubu pediu que todas as famílias que perderam entes queridos ou propriedade recebessem algum tipo de compensação e que seja criada uma comissão oficial para investigar os casos. Já o senador Sani Shehu, reclamou que o estado de Kaduna esteja se transformando em “um matadouro e um cemitério onde vidas humanas não tem valor”. Ele af…